domingo, 15 de julho de 2018

COPA DO MUNDO 2018 - sob um céu de griezman



 Mediana, sem grandes destaques, com algumas partidas  memoráveis. Ou seja, uma Copa do Mundo sensacional, pois assim o futebol se mostra fortalecido em todas as praças. Há quem divulgue nas redes sociais a foto da primeira seleção africana campeã do mundo, a que veste a camisa da França. Possa ser, como diria o Sargento Getúlio. Mas nem assim seria verdade, pois a primeira mesmo, nesse sentido, foi a brasileira de 58. Deixemos isso de lado e falemos de futebol.

   Griezman foi o craque da Copa 2018 pelos dados estatísticos. Craque de segundo escalão, de um time de segundo escalão, realiza o grande sonho do politicamente correto. Mas deram o prêmio para o cansadíssimo Modric, que foi apenas um guerreiro croata a mais nesse épico - Vida e Perisic jogaram muito mais que ele. Mas assim tem sido desde muito tempo: Forlán foi o craque da Copa 2010, tirem uma linha.

  Mbappé já brilhava aos 17 anos. Foi adquirido pelo PSG junto ao Mônaco e, quando lá chegou o Herói Quicai, Mbappé já estava titular ao lado de Cavani. Aos 19 anos, Mbappé sagra-se campeão do mundo, fazendo 4 gols, eleito o mais talentoso jovem a participar da Copa. Alguma semelhança com o nosso Herói Quicai? Fico aqui a me lembrar do clássico de Moraes Moreira: craque já vem do ovo. Homem se faz a si mesmo, digo eu, de minha parte.

  Os melhores jogadores do PSG na Copa foram: 1. Mbappé, 2. Thiago Silva, 3. Cavani. Há outro mais a citar?

   Ainda estou com o quase-gol do Meunier entalado. E com esse goleiro Subasic, também. O sujeito hoje não foi nas bolas, aceitou todas. Merece uma surra de currião, o cabra mole.

    Comentaristas estão fazendo de tudo para desmerecer a conquista da França. A França, para eles, é campeã, mas... Ora, vão capar gato na feira de Caruaru! Pois digo que o futebol que essa França jogou tem meu dez: conforme o adversário, conforme a necessidade, com inteligência e talento necessários, com o brilho de excessão de Mbappé... o que querem mais? Ah, que um país pequeno e sofrido fosse campeão do mundo. Ora, faz melhor o Low quando cheira os dedos na beira do campo. 

    Hoje, a França explorou a condição física da Croácia, deixou-a ditar o ritmo da partida, usou o contra-ataque, cansou ainda mais a estropiada seleção croata. Que fez seu papel muito bem, lutando até o fim, fazendo gols, dizendo a que veio. A França foi brilhante em sua estratégia e isso precisa ser elogiado, não diminuído. Futebol é muito mais que voluntarismo e jogadas individuais. O esquema mutante da França, para mim, é uma reedição funcional do esquema holandês. E fim. É campeã, coisa que a Holanda não conseguiu ser, com seus gênios e tudo mais.

    Já estou a imaginar a Copa de 2022 no Catar. Vai ter FanFest? A mulherada vai poder andar de top e short pelas ruas? E bebida alcoólica, vai rolar? E rock pauleira? Vai ter vida noturna, se é que me entendem...? Pensando bem, será uma demonstração de abuso econômico jamais vista, não? Todos os estádios ficam num raio de 60km, segundo soube. Para quem jogar depois? Que destino terão esses camelos brancos no deserto? Mas nosso Herói Quicai é o embaixador da Copa e do Catar, então deve ser coisa muito boa. Acho que vou reservar meu pacote.





   

Nenhum comentário: