terça-feira, 3 de julho de 2018

COPA DO MUNDO 2018 - mudar quando tudo muda





    As semifinais que cantei começam a se configurar. Croácia e Inglaterra, no entanto, desceram a ladeira. Passo a delas duvidar, enquanto a Rússia cresce no grito. Mas não saio da toada, vamos em frente.

    Hoje ficou claro que as seleções disputam a Copa em estado de exaustão. As contusões antes e durante os jogos, o cansaço físico e mental dos jogadores, um desgaste generalizado que se manifesta em abandono de tática, de jogadas, até mesmo da competição (caso da Alemanha), deixam claro que o torneio em fim de temporada europeia deixou de ser prático. 

    A maioria dos jogadores atua na Europa. Estamos assistindo a um festival de distensões, contraturas, cãibras; de faltas por "chegar atrasado", por não conseguir perseguir o adversário; de equipes inteiras se arrastando em campo no final das partidas e nas prorrogações.

    Dona Fifa terá que alterar o sistema para além do aumento do número de participantes. Com as transmissões ao vivo dos principais campeonatos nacionais e torneios continentais, a Copa do Mundo deixou de ser vitrine, momento único de exibição do futebol que se pratica globalmente, já se vê isso todo dia na tevê. E os jogadores que disputam a Copa tornaram-se milionários que prezam o corpo, o convívio familiar, as férias; fica nítido que não dão tanta bola assim para a Copa, seus clubes é que lhes dão base para tudo.

   Tudo precisa mudar quando tudo muda. Chegou a vez da Copa do Mundo, constato. 

    Se o Brasil mandasse o Grêmio ou o Palmeiras representá-lo nesta Copa, teríamos passado por cima dos adversários com areia e tudo, sem nenhum aperto ou ansiedade ou necessidade de encenações.

    Por falar nisso, vou terminar por me filiar aos defensores de Neymar Jr. A campanha contra ele está se tornando algo diverso, tão querendo sua expulsão prévia (concordo com a expulsão justa), tão querendo minar nossa seleção na cabeça dos árbitros, tão querendo nos vencer com recursos extra-campo. Neymar Jr pelo menos expõe suas canelas em campo. Jogar pedras escondido é coisa de covarde.    

    E o Mina, hein?



Nenhum comentário: