terça-feira, 26 de junho de 2018

COPA DO MUNDO 2018 - respirar é preciso


   Os gigantes respiram, e bem. Tudo agora será diferente para quem os enfrentar. Nunca foi fácil derrubá-los. Por isso não se pode desperdiçar chance alguma alguma de quebrantá-los. Bobearam, Alemanha, Argentina e Cristiano Ronaldo passaram, agora aguentem.

   Há gigantes, no entanto, que possuem juízo de barro. Esses, bastam um cutucão e já vão ao chão. Sabem de quem falo.

   Aproveito para esclarecer que não consigo torcer contra o Brasil, é visceral, é sanguíneo, sei lá o que mais. Torcerei sempre pela seleção canarinho. No entanto, se cair diante da Sérvia não vou chorar. (Eu ia escrever: se o Brasil voltar pra casa, mas essa possibilidade não existe, não é mesmo?, em caso de derrota todos menos três ficam por lá, em suas mansões, ou vão curtir férias em ilhas paradisíacas com seus troféus - pelo ponto de vista deles, claro).

   Nosso principal jogador é modelo de egoísmo, grosseria, pedantismo e alienação social, um boçal alimentado pelo marketing e pelas redes sociais. Miro a história de nosso futebol e lembro a geração 82. O mínimo que penso é que não seria justo ver o sorriso sarcástico desse rapaz em contraponto à tristeza de Zico, Falcão e Sócrates. Dá engulho só de pensar. Então, não ficarei triste se a Sérvia se insurgir contra o destino e sapecar nossas redes com pelotas efervescentes.

   Mas vou torcer pelo Brasil. Mesmo porque se a seleção avançar, há grandes chances de esse rapaz ser expulso amanhã ou no próximo jogo, e podermos enfim ficar livres de seu antifutebol, de seus xingamentos a adversários e a colegas de time, de seu teatro, de suas trapaças, e por que não?, de um ou outro golaço que contribua para eternizar esse estilo pernóstico como o melhor que o Brasil tem a oferecer. 

     Batam na madeira pelo Rodrygo, pelo menos pelo Rodrygo, pois o Vinicius Jr tá com pinta de trilhar caminho parecido ao de V. Chechelência. Que Paulinho, ex-Vasco, venha a nos redimir, como Philippe Coutinho ora tem feito.

     Os erros de Tite começam a cobrar suas faturas: lá atrás, escrevi sobre trazer jogadores contundidos, agora outros se contundem e a equipe fica engessada. Outro, é insistir no mesmo esquema, entregar ao adversário a fórmula fácil de combater nossa seleção. Outro, que é quase um crime, é aprisionar William rente a lateral do campo  -  lembro do que Zagallo fez com Giovanni, em 94  -, anulando todo arsenal de jogadas que o craque é capaz de realizar em favor do time, obrigando-o a fazer mal o que não domina. 


Um comentário:

RABISCOS disse...

Neymar lecou esporro e errou só nas finalizações, Paulinho fez jus à sua homenagem. Segunda tem mais!