sábado, 30 de junho de 2018

COPA DO MUNDO 2018 - cantar nunca foi só de alegria




   Num grupo de amigos, e aqui também, dias atrás, cantei as semifinais da Copa: Brasil x Uruguai e Croácia x Inglaterra. 
   
   A peneira das oitavas começou e já separa meu trigo: Uruguai e França avançaram para as quartas, vão se estraçalhar em uma partida que tem tudo para ser memorável, e o Uruguai passa porque assim pressinto.
   
   Miro os defeitos da França: uma juventude respeitosa, um talento contido pelo esquema deschampiano, uma docilidade emocional. Fazer quatro gols nos frangalhos argentinos não constituiu grande façanha, mas tomar três gols demonstra que há trilhas que levam às redes de Lloris mesmo por um ataque em desordem.
   
   Aí é que está o busílis: a defesa uruguaia, zaga do Atlético de Madrid, joga junto há tempos, não vai abrir bulevares para Mbappé, há leões naquela savana. E do outro lado, a zaga meio Barça meio Real vez em quando bate cabeça. E haverá ferozes felinos platenses a acossá-los. Cavani jogará porque não pode deixar de jogar, simples assim.
  
  Hoje, esse rapaz, o Mbappé, fez algo raro: igualou Pelé, ao marcar dois gols em uma partida de Copa do Mundo com menos de 20 anos. Trotou feito Jairzinho, driblou feito Ronaldo de verdade, e, claro que o PSG tá se lixando para onde irá Neymar Jr, carregado por Neymar pai, depois da Copa.

   Não sei quem deu mais azar, se o Brasil ou a Bélgica. Cravei Brasil nas semifinais por desejar isso, mas pode muito bem dar Bélgica, pois o México irá exigir muito mais de nós que o Japão deles. Os deuses decidirão.

   Como cantei, não muito feliz, Cristiano que quer ser Ronaldo teve sua vez na Copa, foi; Messi também passou e foi. Partidas tristes porque precipitadas, podiam ter ido mais longe, não fossem fatores extra-campo argentinos e a cruz de Cristiano ser pesada demais. Agora vem a vez de Iniesta, Piqué e o famigerado Ramos retornarem para suas paellas, é no que aposto. Que o domingo amanheça logo. 

quinta-feira, 28 de junho de 2018

COPA DO MUNDO 2018 - oitavas na peneira




    Definidos os confrontos das oitavas de final, temos uma chave europeia com um sul-americano e uma chave latina com um asiático. Os africanos se foram, como sempre, infelizmente, pagando o preço da displicência ou desconcentração, sabe-se lá.

    A chave latina, a nossa, tem França e Bélgica (forcei um pouco aqui) e se passarmos do Mexicozinho, toparemos com a Bélgica. Isso porque o Japão já foi eliminado depois do papelão de hoje, não dá pra imaginar o Japão avançando na Copa. Já deviam estar de malas prontas, WO, um outro tipo de haraquiri.

   Imaginei que o tempo era para um novo campeão, Bélgica ou Croácia. A Bélgica nos topará no caminho, e não somos uma pedra qualquer. A Croácia, na outra chave, tem estrada aberta até a semifinal, quando deverá pegar a Inglaterra. (Isso, sim, é palpitar, em todos os sentidos). Poderá ir à final se ampliar a solidez da equipe e o brilho de Modric se intensificar. Oh, o imponderável...

   Tão pegando no pé do Paulinho. Não pode haver besteira maior. Paulinho joga há um ano e meio sem férias, por conta da transferência China/Espanha. O cara é o que tem o gráfico de maior desgaste físico inicial. Tem cansado no segundo tempo e corretamente substituído. Aí vem a claque de urubus... Parece esquema organizado para desviar atenção do "herói quicai". É o jogador mais confiável da seleção. Paulinho, é claro.

   
    

quarta-feira, 27 de junho de 2018

COPA DO MUNDO 2018 - sofrer é pra quem vive



  A Alemanha... apois, parecia querer voltar logo pra casa. Os ares da Rússia, mesmo no verão, não fazem bem à memória germânica. Um dia saberemos os motivos mais próximos da verdade. Sané e Teri Stegen foram os mais lembrados. Eu lembrei do Goetze  -  não se deve desprezar heróis assim.

   Agora vamos pegar o Mexicozinho e sua única jogada. Nascerá o sol a 2 de julho, com certeza. É só não cair na manjada armadilha. É o Osório, sabe, o Osório.


      E vamos seguir com Josimar e Everaldo nas laterais. O Fagner é inteiro o novo Josimar, só não fez gol ainda. Em 86, Josimar foi chamado por conta da defenestração de Leandro, o titular, para ser reserva de Edson, que era do Corinthians. O Edson se contunde já no México e o Josimar entra, igualzinho o Fagner, e se sai muito bem, como o Fagner está se saindo. Agora, o Filipe Luís no lugar do Marcelo, essa não era esperada. Mesmo porque era o líder dessa equipe, ao contrário do Marco Antônio que, muito jovem, cagou na retranca às vésperas do mundial de 70. Vamos na torcida para o Marcelo voltar, embora o Filipe Luís tenha sido um dos melhores em campo, hoje.

     A única contrariedade que tenho em ver jogos aqui na minha nova morada  - 1o andar  -  é que o porteiro vê tudo à minha frente pela tevê aberta. Eu, via cabo, estou sempre atrasado alguns segundos. Hoje, Neymar preparava-se para cobrar o escanteio e o sujeito já gritava gol lá da portaria. Não vejo solução para o caso, não consigo ouvir Galvão Bueno.

terça-feira, 26 de junho de 2018

COPA DO MUNDO 2018 - respirar é preciso


   Os gigantes respiram, e bem. Tudo agora será diferente para quem os enfrentar. Nunca foi fácil derrubá-los. Por isso não se pode desperdiçar chance alguma alguma de quebrantá-los. Bobearam, Alemanha, Argentina e Cristiano Ronaldo passaram, agora aguentem.

   Há gigantes, no entanto, que possuem juízo de barro. Esses, bastam um cutucão e já vão ao chão. Sabem de quem falo.

   Aproveito para esclarecer que não consigo torcer contra o Brasil, é visceral, é sanguíneo, sei lá o que mais. Torcerei sempre pela seleção canarinho. No entanto, se cair diante da Sérvia não vou chorar. (Eu ia escrever: se o Brasil voltar pra casa, mas essa possibilidade não existe, não é mesmo?, em caso de derrota todos menos três ficam por lá, em suas mansões, ou vão curtir férias em ilhas paradisíacas com seus troféus - pelo ponto de vista deles, claro).

   Nosso principal jogador é modelo de egoísmo, grosseria, pedantismo e alienação social, um boçal alimentado pelo marketing e pelas redes sociais. Miro a história de nosso futebol e lembro a geração 82. O mínimo que penso é que não seria justo ver o sorriso sarcástico desse rapaz em contraponto à tristeza de Zico, Falcão e Sócrates. Dá engulho só de pensar. Então, não ficarei triste se a Sérvia se insurgir contra o destino e sapecar nossas redes com pelotas efervescentes.

   Mas vou torcer pelo Brasil. Mesmo porque se a seleção avançar, há grandes chances de esse rapaz ser expulso amanhã ou no próximo jogo, e podermos enfim ficar livres de seu antifutebol, de seus xingamentos a adversários e a colegas de time, de seu teatro, de suas trapaças, e por que não?, de um ou outro golaço que contribua para eternizar esse estilo pernóstico como o melhor que o Brasil tem a oferecer. 

     Batam na madeira pelo Rodrygo, pelo menos pelo Rodrygo, pois o Vinicius Jr tá com pinta de trilhar caminho parecido ao de V. Chechelência. Que Paulinho, ex-Vasco, venha a nos redimir, como Philippe Coutinho ora tem feito.

     Os erros de Tite começam a cobrar suas faturas: lá atrás, escrevi sobre trazer jogadores contundidos, agora outros se contundem e a equipe fica engessada. Outro, é insistir no mesmo esquema, entregar ao adversário a fórmula fácil de combater nossa seleção. Outro, que é quase um crime, é aprisionar William rente a lateral do campo  -  lembro do que Zagallo fez com Giovanni, em 94  -, anulando todo arsenal de jogadas que o craque é capaz de realizar em favor do time, obrigando-o a fazer mal o que não domina. 


domingo, 24 de junho de 2018

COPA DO MUNDO 2018 - derrubar gigantes



  "Chega de trapaças. Chega de lágrimas de crocodilo. Chega de narcisismo" (Eric Cantona). Trata-se obviamente de se jogar bola, quando se está em campo de jogo.

   Sigo a duvidar do México, equipe de uma jogada só e mal executada, quase sempre. E jamais duvidei da Alemanha. Não é fácil derrubar gigantes. Se houver outro Alemanha x México nesta Copa, teremos motivo para muita risada.

   Amanhã saberemos até onde vai a potência do Cristiano que quer ser Ronaldo. Não creio que seja suficiente para levantar uma Copa do Mundo, sigo acreditando.

   A política ganha espaço na Copa da Rússia, como nunca antes. Beligerâncias antigas mostram as unhas, as mãos inteiras, e os perdigotos ácidos são disparados em diversas direções. Nossa adversária Sérvia pede punição e se complica; suiços enfrentam processos disciplinares, enquanto alguns outros escapam sorrateiros.

   O VAR subordina-se a decisões humanas. Será falho, como falho é o árbitro em campo. E tantos quantos sejam os auxiliares disponíveis. Não creio que vingue. Há coisas mais importantes e que não são cuidadas, como o número de substituições, que segue inexplicavelmente reduzido, em prejuízo do espetáculo. 

   A Argentina... não é fácil derrubar gigantes.

    

quarta-feira, 20 de junho de 2018

COPA DO MUNDO 2018 - falta cumprir-se Portugal



   Então, CR7 fez o quarto gol de Portugal na Copa. O quarto gol dele. CR7 é Portugal, Portugal é CR7.
    Dito isso, a conclusão parece inarredável: seleção de um jogador não pode ter futuro na Copa. Em qualquer Copa do Mundo. Desta forma, Portugal não tem como ir longe. Tudo parece tão bem para os portugueses ao final desta segunda rodada, só que não.
    Vejamos: Portugal jogará contra o Irã, Espanha contra Marrocos. CR7 jogará contra quem tem 3 pontos e chances reais de passar para as oitavas. A Espanha jogará contra quem perdeu suas duas primeiras partidas e já está fora da Copa. O Irã mostrou ser uma equipe competitiva, encardida, e só não empatou com a Espanha por detalhes. Tá, mesmo que se discorde disso, fato é que não foi fácil para os espanhóis superarem os iranianos. E a Espanha é bem mais sólida que Portugal, não é seleção de um só jogador.
     Palpite pode ser tolice, mas deixo aqui o meu: falta cumprir-se Portugal, mais uma vez. A saudade, a tristeza, tanto mar...


segunda-feira, 18 de junho de 2018

COPA DO MUNDO 2018 - Mexicozinho



   De forma geral, o México realizou uma façanha notável ao vencer a Alemanha.
   No entanto... 
   Diante das circunstâncias da partida, o desempenho mexicano foi sofrível. Estabelecido o padrão de jogo, firmado o contra-ataque como arma preferencial, definido o destrambelhamento da equipe alemã  -  essas, as circunstâncias referidas  - a equipe do México mostrou uma incompetência incorrigível em marcar gols praticamente feitos.
   Lá ia, lá ia, lá ia o México em velocidade, em bloco, 4 contra 3, 3 contra 2, 2 contra 1... e errava a assistência e chutava na lua e errava a assistência e chutava na lua... Parei de contar ali pela meia dúzia de gols perdidos. Está claro que um time com tamanho grau de incompetência no ataque não tem futuro numa competição como a Copa do Mundo. Pode ir às oitavas, mas de lá não passa. Mas duvido que vá, pelo que mostraram Suécia e Coreia do Sul. Veremos.
    Agora, a Federação Mexicana já foi multada sete vezes por conta do grito homofóbico da torcida. Acho que multa não resolve. Talvez resolva se a seleção mexicana sofrer um gancho de uma Copa do Mundo, só pra começar. Isso sim, seria punição exemplar.
    De resto, Cristiano Ronaldo (3), Diego Costa, Lukaku e Kane (2) já mostraram ao que vieram. Fizeram o que deles se espera. Será que é o mesmo caso dos outros, desses mesmos que você está pensando agora?

domingo, 17 de junho de 2018

COPA DO MUNDO 2018 - caindo na real


   
                                             Woody Woodpecker em seu habitat

    Estou aqui a torcer para que Tite se liberte de Neymar Jr.
    É que esse negócio de família, hodiernamente, tem hierarquia invertida, e o papai é refém do filhinho caçula. Faz tempo que nossa seleção está atrelada à felicidade do camisa 10. Na era Pelé, nunca foi assim, e sei que não preciso nada explicar.
    Talvez o lucro do empate de hoje seja a alforria do Tite, se ele souber aproveitar a oportunidade. É coisa de se esfregar as mãos. Nem que o rapazinho troque o aplique dourado por um outro de trancinhas azuis, conseguirá jogar. bem a próxima partida: não tem condições físicas nem psicológicas adequadas, tá no ritmo do poquer e do nheco-nheco.
    A partida de hoje teve, ou tem, esse condão: definir o time de verdade para a Copa. A família trouxe até aqui o Renato Augusto, o Fred e o Neymar Jr. Fosse apenas um selecionado, estariam fora, em favor de outros em melhores condições físicas e técnicas. Quem? Ora, o Luan e o Arthur, do Grêmio, por exemplo, e o Douglas Costa.
    Torço para que contra a Costa Rica, Neymar Jr fique no banco e o Brasil comece com Casemiro e Paulinho, William flutuando no meio, e Coutinho, Firmino e Douglas Costa enchendo o balaio dos centralinos. Com Fernandinho entrando no segundo tempo, caso a CRica incomode, no lugar de Douglas Costa, liberando Paulinho para suas infiltrações mortais. 
    Não vou perder meu tempo, mas contem os ataques brasileiros perdidos pelas tentativas individuais, personalistas, marketeiras do sr. Neymar Jr, em jogadas que só acrescentariam algo de positivo a ele mesmo, caso dessem certo, e tudo de negativo ao selecionado canarinho. 
    Na minha distante infância, convivi com um "dono da bola". Não há nada mais repulsivo (e coisa diversa não consigo dizer).
     Aproveite a chance, Tite!  Caia na real!

sábado, 16 de junho de 2018

COPA DO MUNDO 2018 - ventura e danação



    Aproveito o subtítulo do meu romance "Beira de rio, correnteza" para este post, depois de três dias de embates na Copa. Pois já rolou venturas tempestuosas e danações lacrimosas nas poucas partidas disputadas até este ponto.
    Infelizmente o nome que se sobressaiu até agora foi o Cristiano que quer ser Ronaldo. Faltou a vitória, mas foi uma atuação épica, aquela contra a Espanha. O áudio que rola nas redes sociais com um locutor português narrando o terceiro gol deixou o momento mais espetacular ainda. Isso é Copa do Mundo. O cara está lá, querendo tudo que ainda pode colher.
    E o outro cara, o que atende neste planeta pelo nome de Lionel, danou-se de vez com a torcida argentina: cobrou faltas na barreira como se fosse um zagueiro juvenil e perdeu um pênalti que tirou a vitória da equipe. Top top total.
    Sampaoli, o técnico da Argentina, foi outro que se estrepou hoje. Pareceu-me uma declaração de incompetência a insistência em jogar cercando a área da Islândia, tentando entrar pelo meio sem sucesso por toda a partida. Não entendi nada. A Argentina deveria tocar a bola em seu campo, chamando a Islândia, abrindo espaços, descompactando o adversário, criando possibilidade de contra-ataque ou de penetração para Messi com a bola dominada. Bateram em ferro gélido, das terras do Norte, sifu.
    Mas não creio em desastre para a Argentina. A Nigéria segue jogando solto e será facilmente batida. A Croácia oferece perigo, mas não possui um esquema defensivo como o da Islândia, vai pro jogo e perderá. Teremos Messi nas oitavas e adiante um pouquinho. Já o Cristiano, acredito que viveu tudo que podia, e merece, na Copa. Adeus, gajo!
    Não resisto: e o pé na Cuevas?

quinta-feira, 14 de junho de 2018

COPA DO MUNDO 2018 - O começo



   O Sobrenatural de Almeida informa: sai Dzagoev, entra Cheryshev, o cara que no final vai sair de campo consagrado como artilheiro e craque da partida, o reserva que nunca havia feito um gol pela  Rússia.
    E assim começou a Copa do Mundo 18, com uma partida que os especialistas condenavam ao zero a zero, pela ruindade das seleções demonstrada até então, e que terminou em goleada.
    Agora o bicho pega pra Egito e Uruguai, que jogam amanhã. Têm que correr atrás da Rússia. Se empatarem, precisarão golear Arábia e Rússia, por via das dúvidas. Em campo, de um lado, o destroncado Salah, craque do ano na Inglaterra, e de outro, Suarez, o Luisito, aquele que é capaz de coisas extraordinárias. Ambos goleadores talentosos, secundados por grupos enigmáticos, no meu entender. Vamos ver, azul-celeste contra alvi-rubros em tapete verde.
    E a CBF, hein? Combina o voto, tudo acertado, vai lá e vota contra o trio do Norte. Explicar, só em dólar.
    E o Lopetegui, hein? Botou a mãe no meio para se safar do vexame: acerta renovação com a seleção até 2020 e dez dias depois, anuncia a saída, feito o Coronel Nunes, da CBF. Explicar, só em euros.

domingo, 10 de junho de 2018

OOPA DO MUNDO 2018 - um poema bárbaro

    que estendam o tapete verde
    para os ricos botocudos
    que nos representam nesse embate:
    haverá brilho nas batalhas
    mesmo que breve
    mesmo que tarde

    digam urras e berrem gols

    para os ricos botocudos
    que nos representam nesse voo:
    haverá festa na laje    
    mesmo sem carne
    cana, cerveja e ovo

    cresçam fé e orgulho

    pelos ricos botocudos
    que representam nossa fama:
    haverá folga e batuque
    mesmo sem show
    mesmo sem drama

    cantem superioridade

    dos nossos ricos botocudos
    que no fundo se representam:
    tanto faz brilho ou merde
    vencer, muita mais grana traz
    perder, ora, nada se perde
   

sábado, 9 de junho de 2018

COPA 2018 - UMA CASO PARA LEMBRAR




     Então, para não dizer que escondemos as flores, aqui está algo para ser lembrado: a  humilhante derrota da Seleção Brasileira, por 7 a 1, diante da Alemanha, nas semifinais da Copa do Mundo de 2014. O episódio rendeu um livro de contos, com participação de sete contistas brasileiros e um alemão, mais um ensaio de uma escritora alemã. A coletânea Sete a um foi lançada no dia 5 de maio, em Salvador, na Biblioteca do Instituto Goethe. 

     Adiantem-se e peçam seus exemplares pelo sítio da Editora Dália Negra (www.dalianegra.com.br/editora). Alguns dos contistas brazucas escrevem aqui no Papo de Arubinha. Pelo time do Brasil foram escalados os contistas Claudia Tajes (“A Vida é um eterno descenso”), Carlos Barbosa (“Glorinha toda solta”),  Elieser Cesar (“O hexa de meu pai”), Lima Trindade (“Oito de julho”), Luís Pimentel (“Gertrud”), Marcus Borgón (“O resto do mundo”) e Mayrant Gallo (“O que houve depois”). O gol de honra alemão coube a Hans-Ulrich Treichel (“Foucauld, Freud, Futebol”).            

    Organizada pelos escritores Tom Correia e Lidiane Nunes, a coletânea é uma  coedição da editora baiana Dália Negra e da capixaba Cousa. O ensaio sobre futebol é de autoria da professora de Literatura Alemã da Universidade de Leipzig, Dagrun Hintze. A orelha do livro é assinada por Cláudio Lovato Filho, uma das maiores referências nacionais em literatura sobre futebol.  A capa de Sete a um é  do artista plástico carioca Marcelo Frazão e a versão dos textos do alemão para o português de Erlon José Paschoal, tradutor de grandes escritores germânicos como Goethe, Brecht e Holderlin.

sexta-feira, 8 de junho de 2018

COPA 2018 - UM CASO ANTERIOR





    Sérgio Ramos bem que podia beber seu vinho quente em silêncio. Mas, não. Preferiu vir a público tripudiar os derrotados por sua esperta violência. E riu, muito.  
     Foi, na verdade, uma declaração marcada pelo sarcasmo, menosprezo e por algo mais, que deixarei mais para diante. Em tudo desnecessária. Mais que isso, indigna.
     O Real saiu campeão da Champions com dois gols que não marcaria em CNTP. Foi preciso a ação ramosiana para que acontecessem, não há perdigoto de dúvida quanto a isso. Mas o zagueiro optou por culpar Salah, por ridicularizar o goleiro e despejar sua baba preconceituosa sobre Firmino. Que o chamou de idiota. Nisso, Firmino errou. Ramos não é idiota: age de forma pensada e impune. Talvez por ser um branco europeu afirmando-se face aos vencidos terceiro-mundistas, o egípcio Salah e o nordestino brazuca Firmino.
     Sim, Marcelo, é preciso respeitar os colegas de profissão. Lembre disso o seu amigo campeão Ramos. Que um galho inteiro o pegue pela frente, absalão, absalão.