Momento

TORCER PODE RESULTAR EM OBRA DE ARTE (fico devendo a referência)






domingo, 26 de abril de 2015

SINA DO VASCO



     O Vasco pode ser campeão carioca domingo próximo. Deveria estar feliz com isso, mas não estou. Não por conta da ameaça de mais um vice, normal, de boa, como se diz nas rodas juvenis. Mas pela possibilidade de voltar a ser campeão com Eurico Miranda no comando. Isso é que é duro de aceitar.
 
     Lembro da alegria que tive com a saída do Ele-rico do Vasco. A eleição de Roberto Dinamite parecia a eleição de Lula: uma vitória da ética, da decência, do sonho de um novo tempo. Não vou esmiuçar o que veio depois, não vale a pena. Houve mais uns vices e pronto. Não houve Mensalão nem Petrolão, mas dois rebaixamentos no Nacional. E então Ele-rico retorna. E o Vasco chega à decisão do Carioca com chance de vencer.
 
     A sina mencionada não é ser vice (o Flamengo tem mais vices que o Vasco) nem viver às voltas com as peripécias do eterno presidente: é o padrão de jogo. A míngua de um gol como meta suficiente. A mixórdia de defender mais que atacar. A penúria de um meio-campo brucutu, sem talento à vista (e quando há, é logo vendido pro exterior). O aproveitamento do restolho nas mãos de empresários espertos.
 
     Pensando bem, mesmo assim, o Vasco está sempre nas bocas, incomodando os preferidos da imprensa. Acho que por isso é que a gente esquece o Homem do Charuto e sua pernosticidade e segue torcedor do Gigante da Colina. Apesar de tudo. Mas feliz não estou.