Momento

TORCER PODE RESULTAR EM OBRA DE ARTE (fico devendo a referência)






segunda-feira, 14 de julho de 2014

WC'14 (11)

Faz tempo que não frequento estádios. Mas ontem me comportei, aqui em casa, como se em um estivesse. Fiquei rouco de tanto expelir palavrões, assustei todos em volta, embora não tenha recebido, até o momento, nenhuma reclamação dos vizinhos. Creio que estavam na mesma sintonia.

É bom extravasar, na proteção do lar, a pressão do id, ou coisa parecida. O futebol permite essa catarse, muito notada em arquibancadas de estádios. Cometi meus exageros, também, no WhatsApp, essa ferramentazinha espetacular dos smartphones. Mas já pedi desculpas aos familiares. Claro que bebi antes, durante e depois.

A coisa é assim: em jogos da seleção brasileira, fico muito tenso antes da partida. Essa tensão vai se alterando de acordo com a movimentação do placar. Se a partida se encaminhar para uma vitória canarinho, vou me acalmando e, aos poucos, ficando feliz. Não há gritos nem palavrões. Se a rota se der no sentido contrário, a tristeza se assenhora e eu murcho feito maracujá maduro.

Torci entusiasticamente contra a Argentina. De modo específico e geral. Não me cobrem comportamento politicamente correto num'ora dessa. A Argentina como país e nação merece todo respeito e admiração. Mas, no ambiente do futebol, a torcida argentina sabe, como poucas, despertar a ira do adversário. Não preciso adjetivar o comportamento "hermano", é por demais conhecido. 

E o castigo veio pelo talento de Götze, aquele que em post anterior eu disse ser a exceção no padrão de excelência do time alemão. O garoto entrou para, no fim da partida, dar um fim à arrogância argentina. Que não era dos jogadores, diga-se, mas da torcida. Uma torcida que, numa partida contra a Alemanha, não cessava de achincalhar quem tão bem os recebia, nós. Ofensas que, segundo soube, hoje fervilham no Facebook, na eterna linha de "macaquitos" e outras referências racistas mais óbvias. Curioso é que nenhuma instituição argentina, que eu saiba, tenha vindo a público dizer que tal comportamento seja reprovável. Se veio, gostaria muito de saber quem e quando.

Nenhum comentário: