segunda-feira, 12 de novembro de 2012

TETRACOLOR



O título acima estampou hoje algumas manchetes de caderno de esportes. Um trocadilho óbvio, portanto, que deveria ter sido evitado pelos editores. Mesmo porque o Fluminense não é tetracampeão brasileiro, é quatro vezes campeão brasileiro. Tetracampeão é coisa diversa.

Mas é fato que o Fluminense, com Deco ou sem Deco, tem uma equipe excelente em todos os setores, em todos os fundamentos. O Corinthians tem a sua no mesmo nível do Fluminense, mas focada em outra competição, por isso não disputou o título pau-a-pau com o tricolor. O São Paulo montou um grande time para o ano que vem, a conferir. E se Luxemburgo continuar no Grêmio, a próxima Libertadores será disputada pelos brasileiros, o resto será figuração.

Parabéns a Mayrant, o tricolor do Arubinha, o mais feliz torcedor do grupo. Parabéns!

Quanto a nós, meros mortais, prosseguiremos na sina da luta inglória dos incompetentes. O Vitória tudo faz para não subir; o Bahia, para cair. Ou seja, grande possibilidade de termos Ba x Vi na Segundona, ano que vem.

E aí, pessoal, vamos montar a seleção de 2012?

domingo, 4 de novembro de 2012

LARANJA TRICOLOR

Tudo bem. Nada mais tira o título do Fluminense. O time não tropeça, não dá chance à fraca concorrência. Abelão conseguiu um padrão de eficiência e criatividade que levou o tricolor a um desempenho insuperável no campeonato. Tudo bem, meu Nem, diz a torcida em refrão.

Meu Vasco, time da colina, mergulhou no vale profundo da perdição. Dinamite chegou ao comando do clube carregando a esperança da torcida nas mãos. Cinco anos depois, uma passagem pela segundona, o time está na UTI. Seis derrotas seguidas e o ano findou com a fragata nas rochas. Sem mensalão, ainda.

Neymar mudou de look, fez três no Cruzeiro combalido, viveu seu dia de glória. Continuo achando que ele joga para si mesmo. Tanto faz se o time ganha ou perde, se a seleção ganha ou perde, desde que saiam dribles e gols, tudo bem pro seu marketing pessoal. Ainda não aconteceu nada que altere minha opinião.

Um desconhecido me parou na rua para dizer, ontem, que se o Vitória perdesse o time não desceria no aeroporto. A estupidez não encontra limite. O que sempre importa para quem está na B é subir para a A, não ser campeão da B. E ameaça é crime, não esforço de torcida.