Momento

TORCER PODE RESULTAR EM OBRA DE ARTE (fico devendo a referência)






sábado, 24 de setembro de 2011

Racismo e exílio


Andrade foi campeão brasileiro em 2009 com o Flamengo e depois disso praticamente desapareceu dos noticiários. Treinou o Brasiliense no ano seguinte, mas o time terminou rebaixado para a Série C. Desde então, o desemprego e o esquecimento. É intrigante que nenhum dos grandes e médios times do Brasil tenha pensado em tê-lo como técnico, deve haver algo errado nos bastidores. O ex-volante rubro-negro alega que sofre discriminação racial, que técnicos negros não têm chance nas grandes equipes. Não menos intrigante. Atualmente, com a exceção de Joel Santana, Luxemburgo e Celso Roth, nenhum outro da mesma etnia comanda os grandes da série A. Pelo menos não lembro de ninguém. E a Seleção Brasileira nunca teve um comandante black em Copas do Mundo. O banimento e a denúncia de Andrade merecem investigação.

3 comentários:

Carlos Barbosa disse...

O que mais impressiona neste caso é o fato de Andrade ser ídolo da massa flamenguista. Até hoje seu rosto estampa bandeirões que a torcida leva pros estádios. Já li em algum lugar que o problema do Andrade é a timidez, em modernês, não sabe fazer marketing pessoal. Ora, fazer do time campeão brasileiro não é suficiente? Precisa saber enganar a patuleia no gogó, como o Luxa e o Tite? O Hélio dos Anjos e o Givanildo podem ser incluídos na categoria "mulatos" (olha o politicamente correto, Tom). Aliás, depois do Maracanaço, a maldição da cor também caiu sobre os goleiros brasileiros. Demorou décadas para termos goleiros negros novamente nos grandes clubes. Fora tudo isso, a ausência de Andrade, um técnico de custo mediano, do comando de um grande time brasileiro, concordo, é coisa muito estranha. Abr. (carlos barbosa)

Tom Correia disse...

Tem razão, Carlos. Ao invés de "mulatos", leia-se afrodescendentes. A única mula nessa história é quem discrimina sob qualquer motivo. Ainda em relação ao tema, Dos Anjos treinou o Vasco da Gama em 2001, depois disso qual outro grande realmente? E Givanildo, qual time de ponta teve chance de treinar? Sei não. Isso merece uma apuração rigorosa.

Carlos Barbosa disse...

Tom, também não acho afrodescendente estritamente correto, pois somos todos um pouco afrodescendentes. Mas, vá lá, que seja. Você citou o Vasco e eu me lembrei de imediato: Cristóvão, o substituto de Ricardo Gomes é negro. Será que vai acontecer com ele o mesmo que aconteceu com o Andrade? Ser campeão e depois perder o posto direto pro ostracismo? No fundo, observamos uma onda gaúcha no posto de treinador de futebol, um discreto branqueamento de tez na área técnica. O Mano está no posto pelo seu porte de modelo nórdico? Um amigo meu acha que o Mano parece um bispo...rs... Abr. (carlos barbosa)