Momento

TORCER PODE RESULTAR EM OBRA DE ARTE (fico devendo a referência)






quarta-feira, 1 de junho de 2011

Se até no meu baba tinha máfia...


Blatter acaba de ser reeleito presidente da FIFA. Ontem, quase ele enfarta durante uma coletiva, se negando a responder sobre as acusações (quase irrefutáveis) de corrupção na entidade que dirige. Ricardo Teixeira sumiu e Havelange não deve dormir direito há algum tempo. Os três formam um trio que vem minando o que há de mais bonito no futebol: a paixão pura pelo esporte. A entrevista do jornalista da BBC, Andrew Jennings, autor de "Jogo Sujo - O mundo secreto da FIFA", é esclarecedora. Máfia por máfia, agora entendo bem aquelas rodinhas tomando decisões obscuras antes do baba de domingo na Ribeira: Véio, Armandinho e Foreca sempre me pareceram suspeitos. Um dia eu descubro de onde vinha toda aquela cerveja e tira-gostos distribuídos de graça para um batalhão; um dia vou saber porque Hermínio, o Cabeça-que-mamãe-não-gostou, era sempre titular no ataque, mesmo que ficasse em casa dormindo nos dias de chuva. Um dia.

2 comentários:

Tom Correia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carlos Barbosa disse...

Brabeza, Tom. Na Rua de Baixo tínhamos um dono da bola: Mariozinho de Miro. Como sempre, batia mal na bola como só ele sabia. Mas não rolava bebida; até Q-Suco era muito caro pra gente. Na Rua de Baixo não havia máfia, mas rolava uns complôs para não escalar fulano ou beltrano, por conta de brigas na escola ou mera pirraça. Quem imita quem? Parabéns pelo retorno ao Papo e pelo livro que em breve iluminará os céus de todos nós. Abr (carlos barbosa)