Momento

TORCER PODE RESULTAR EM OBRA DE ARTE (fico devendo a referência)






segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

RUÍNZES

Iturbe abraçado a Messi. 2014 vem aí, brazucas!
Perdemos uma para a Argentina. E o título do sulamericano ficou distante; a vaga para a Olimpiada periga virar pesadelo. A partida foi atípica, não há como fugir do clichê. Aos 3', o zagueiro-capitão Bruno Uvini sai machucado; aos 6', expulsão do outro zagueiro, Juan. Aos 7' o Brasil perdia de 1 x 0, havia feito duas substituições e jogava com um a menos. Os brazucas comportaram-se muito bem a partir daí. Conseguiram o gol de empate no segundo tempo e... Bem, e então expuseram de forma cabal aquilo que tenho repetido aqui e alhures: despreparo psicológico e intelectual. Somos artistas da bola, definitivamente. Não entendemos de futebol. Basta uma falta forte para que o assunto se torne pessoal. Basta um gol de empate para o grupo considerar o jogo ganho. A cena lembrou 1990: um argentino talentoso conduziu a bola da intermediára até a área brasileira driblando os zagueiros. E sai o gol, em chute enviesado e rasteiro. Em 90, Maradona desmontou a defesa e passou para Canighia fazer o gol. Ontem, Iturbe fez tudo sozinho. Agora, estamos em terceiro e vamos pegar pela frente as duas melhores equipes do torneio: Equador e Uruguai. Uma derrota e corremos o risco de ficar de fora da Olimpíada e do Mundial. E pensar que "não tinha pra ninguém" e que o selecionado argentino "é desorganizado e fraco". Ah, sim, Neymar não fez nada em campo, a não ser cair e reclamar e tomar mais amarelo. É isso, somos artistas da bola. Já, no futebol... Claro que o título deste post não se refere aos cracaços argentinos, mas aos árbitros sulamericanos. Ontem, tivemos mais um episódio da marcação cerrada que árbitos de língua castelhana fazem sobre equipes brasileiras. Como se não bastasse a expulsão de Juan, a Argentina jogou com 12 em campo. Falta colhão na CBF.
Imagem: Bol Imagens

Um comentário:

Mayrant Gallo disse...

Não, o Brasil não vai ficar fora da Olimpíada, mas que andam badalando demais os carinhas desta Seleção Brasileira, ah, isso é inegável. A habilidade sobe dos pés para a cabeça e dá tonteira.