Momento

TORCER PODE RESULTAR EM OBRA DE ARTE (fico devendo a referência)






quinta-feira, 24 de junho de 2010

HONDA

Com o feriado, finalmente pude assistir melhor à Copa do Mundo. De tudo que vi de ontem para hoje: uma Inglaterra limitada, com um Rooney meio gordo; um EUA que incendeia o jogo e não desiste nunca de buscar o resultado, capitaneado pelo eterno Donovan; uma Alemanha funcional, sem brilho, arrastada por "estrangeiros"; uma Gana que é só o melhor dos países africanos, o que é muito pouco se atentarmos para a limitação dos países africanos nesta Copa; um Paraguai que já conhecemos, espécie de segunda força da América do Sul depois de Brasil e Argentina; uma Eslováquia dentro da tradição da antiga Tchecoslováquia, que reunia habilidade e disciplina tática e que, assim, chegou a duas finais de Copa do Mundo; uma Holanda que quer ir além do que já fez e obter o título, por duas vezes desperdiçado; e um Japão que surpreende pela evolução evidente e que apresenta um dos craques do Mundial até aqui: Honda. O moço japonês de cabelos pintados de louro é capaz de chutar forte e colocado com essa bola espírita, arrancar pra cima dos zagueiros com habilidade, matar com perfeição um lançamento de trinta metros na canhotinha e, quase no ar, já sair na frente com um drible, e também, depois de linda jogada individual, passar ao companheiro melhor colocado, isto é, jogar pelo time, sem vistas para os holofotes. Para mim, Honda foi o grande destaque destes dois dias de decisões e já está na minha seleção do Mundial. Vamos ver quem entrará nas outras dez posições.

Um comentário:

Carlos Barbosa disse...

Júlio César e Lúcio têm vaga garantida na seleção da Copa. Uma Copa para eternizar Ganso como craque, e o mundo não assistira a isso, uma pena. (CB)