Momento

TORCER PODE RESULTAR EM OBRA DE ARTE (fico devendo a referência)






segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

BRASILEIRÃO (FIM)



   Acabou. Mesmo que já tivesse acabado.
   A última rodada foi a mais inexpressiva. Poderia ter sido mais intensa se verdadeira. Mas a canalhice fluminense lembrou a todos que o ser humano sabe ser indigno em profundidade. De qualquer forma, o Vasco "deu motivo" durante o campeonato inteiro.
   Aliás, o clipe de encerramento do Fantástico foi mais do que perfeito. Até pelo Roberto Leal.
   E por falar em dignidade, o Eurico poderia ir pra casa em vez da Sibéria. A torcida vascaína acharia isso ótimo e muito digno. Mas as pragas são difíceis de debelar. E o Vasco será bicampeão carioca, pois jogará sozinho o campeonato. E o Tal fará alarde da conquista etc e merda.
    Valeu a comemoração do Ceará pela permanência na série B. Incrível. Um dos grandes momentos do ano.
    Valeu também o São Paulo na Libertadores. Exigem demais do time. E porque não conquista o título nacional não admitem nem que vá para a Libertadores. Ora, nisso foi muito bem. E desconfio que fará mais bonito que campeão e vice. Já o Grêmio, valeu pela afirmação de Roger como técnico.
    Valeu pelo Santos e sua nova fornada de craques, um alento aos amantes do futebol.

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

BRASILEIRÃO (10)



   Falta pouco.
   Ano passado, saudei Santa Catarina por colocar 4 times na Série A. A quatro rodadas do fim do campeonato, 3 deles estão pra cair pra Segundona. E o Vasco, cuja travessia agônica cantei aqui, ameaça ficar entre os grandes. Aliás, não garantiu sua manutenção na Série A por detalhes que tornam o futebol o esporte incrível que é. O campeão Corínthians terá papel decisivo nessa história.
   E pela primeira vez, um ou dois times poderão escapar do rebaixamento na linha dos 40 pontos, numa reta final de arrancar cabelos e provocar infartos. Não há que se queixar dos pontos corridos, o campeonato é peça inteira, semovente, em permanente fricção emocional.
   E o Vitória, na Série B, que se candidatou ao título, agora se vê ameaçado no G-4. E precisa tomar cuidado, pois pode ficar de fora do grupo que subirá. O Bahia, ah, uma pena, mas se condenou dentro da Fonte Nova. As limitações de ambos são visíveis. Mais emoções aqui também.
   Pato é a cara do São Paulo. E acho que isso diz tudo.
   Ganso é o tipo de jogador que dita o ritmo do time. Portanto, precisa de um time mediano para brilhar.
   Tenho dificuldade para entender a festa que fazem para jogadores em fim de carreira. Se fosse com objetivos de homenagem, tudo bem, mas projetando futuro na Seleção Brasileira para a Copa de 2018 me parece falta do que fazer. Há muita mesa redonda, sofá comprido e línguas soltas no futebol brasileiro.
   O Santos precisa cuidar melhor do Geuvânio, um craque que pode produzir muitas alegrias ao clube.

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

CHILE 2 x 0 BRASIL


   Vencer o Brasil é vencer o melhor, disse o técnico Sampaoli. Isso só mostra o quanto está atrasado no tempo o Chile. A seleção brasileira já não é a melhor faz décadas. Vive de explosões de um e outro gênio da bola: Romário, Ronaldo... e fim.
 
   Neymar segue trilhos duvidosos: constrói números expressivos em amistosos, mas na hora que realmente se precisa do craque, vem a explosão de garoto mimado ou uma joelhada traiçoeira. Não disse ao que veio, ainda, com a amarelinha. E já não é mais um garoto, na verdade. Na idade dele, Pelé já... ah, deixa pra lá.
 
   Foram duas bolas na trave metidas pelo Chile. E foram uns cinco contra-ataques brasileiros em que nossos craques tropeçaram na bola, apanharam dela, deixaram bem claro que não sabiam bem o que fazer com a redonda. Faltaram à aula de chute a gol. Até Oscar, o mais objetivo e centrado dos nossos jogadores, jogou graveto em gato. E o genial Douglas Costa guardou energias para o Bayern, que lhe paga muito bem etc.
 
   Lembro da Copa de 1986. Nossos "velhinhos" em campo, mais pelo que fizeram no passado, como se fosse a oportunidade de se redimirem. Falo de ZIco, Sócrates e cia. E a garotada no banco, em especial, Silas e Muller, que vinham estraçalhando adversários. Quem brilhou foi Josimar, com dois golaços. Zico perdeu pênalti e voltamos pra casa mais cedo.
 
   Desde que "achado", o Brasil fornece mão de obra e matéria prima para o mundo. Deveria continuar assim, pelo menos no futebol. Botem a garotada pra jogar. Eles querem brilhar e serem contratados pelos grandes times da Europa. Trazer os que lá brilham, com suas canelas de vidro e mansões e iates e jatinhos e ferraris, não rende bom futebol. Botem Luan, Vitinho, Lucas Lima, Walace, Dudu, Gabigol, essa turma. Os milionários não querem nada com bola, vide Ronaldinho.
 
   Toda arrogância será castigada. A Argentina tomou a traulitada dela, também. E em casa.
  

terça-feira, 29 de setembro de 2015

BRASILEIRÃO 2015 (9) - RONALDINHO GAÚCHO


   R10 mal chegou, partiu. E o humorista do C&Planeta foi na medula: agora vai "jogar" pelo Barra Music.
   Mayrant Gallo comemorou a chegada do R10 ao Fluminense. Disse que o craque iria acrescentar ao Flu e ao campeonato etc. Eu discordei, de cara, pelo simples fato de há muito tempo o R10 não demonstrar mais gosto pela bola ou pelo jogo. A energia do cara vai pro Barra Music e quejandos. Pediu pra sair, melhor assim pro Flu, pra ele e pro futebol. Taí um cara que não sabe a hora de parar.
 
   O fim de semana nos deu dois golaços de falta: o de Rodrigo, do Vasco, contra o Flamengo, e o de Escudero, do Vitória, contra o Paysandu. Pelo efeito na partida, o de Rodrigo foi mais importante. Mas em termos de plástica, o de Escudero foi mais espetacular.
 
   E o Rogério Ceni permitiu ao Robinho mais um golaço de fora da área. Até parece que o Mito gosta da coisa. E o Robinho, o do Palmeiras, não tem enjeitado a parada. A bola vem, a bola volta, por cima, sem apelação. Vamos aguardar a próxima oportunidade. Ou não haverá? Será que o Mito se aposentará?  
 
   Não sei se o Vasco vai conseguir escapar da degola. Torço muito pra isso, mas vai ser dureza. Se conseguir, será um feito digno do Gigante da Colina, mesmo estropiado. Só lamento por isso vir a dar sobrevida ao Ele-rico, essa presença insuportável eticamente. O Vasco precisa dar uma virada também na presidência.
 
   Jádson, Lucas Lima, Valdívia, Pato, Gabriel de Jesus, Renato Augusto, Giovani Augusto, Willian, Henrique, Geuvânio, Luan, Jorge, aí estão alguns destaques que faço nessa reta de chegada do Brasileiro 15.
 
 

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

ODE AO VASCO IX



A caravela avança pelo mar de asas negras,
grimpando ondas em v, em f, brandas e tesas.
A cada rodada, uma surpresa:
a queda propalada, e aqui cantada,
anuncia-se a cada dia
a mais bela das viradas.
Vira o leme, vira o vento,
vira o mar, vira porrada,
qualquer coisa que seja
a próxima rodada, invento
um canto novo para a casaca,
lamentando apenas não ter mais
Flamengo nesta jornada.

sábado, 12 de setembro de 2015

ODE AO VASCO VII


 À caravela 32 corsários,
durante a longa travessia,
marcados por antigas cicatrizes
de outras batalhas e avarias.

Vencida a onda em Campinas,
surpresa de fim de noite,
a nau que afundava a proa empina,
a sofrer sustos e açoites.

E vem mais uma tarde carioca
nessa tormenta sem fim.
Penso que a sorte se entoca
em inacessíveis butins,
sobrando ao Vasco a rota
daqueles que amargam
a rito de tudo que é ruim.

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

ODE AO VASCO VI


Prossegue a caravela cruzmaltina
por linhas e mares trevosos,
Sacudida a pelotaços
E temerosos ventos laterais,
A adernar

Não prossegue, na verdade, afunda
de tunda em tunda,
em tormentos colossais,
de volta ao passado recente
velas rotas, sonhos abissais
a naufragar

Mera coincidência o sexto canto
vir a lume nesses dias tais
de frio e queixume.
Outro dia reserva temporais
em astuciosas rotas mineiras.
Dezembro sequer se anuncia
envolto em brumas feito rochedo,
que eu temo por ti, caraveleiro,
que aderna, que naufraga em medo,
mesmo tendo nascido clube de remo.

 

domingo, 30 de agosto de 2015

ODE AO VASCO V


E segue o Vasco estagnado nos treze.
Um time que cai e seu duplo que vai
em frente na Copa do Brasil.

Tem gente que escolheu acreditar.
Eu escolho rejeitar
tudo que engendra a atual diretoria,
que devia cair junto
antes do suspensório arriar.

Na sugestão insisto:
dispensa dos ex-jogadores 
e seus ilustres mentores,
com a promoção imediata
da prata da casa.

Isso, sim, faria do Vasco
o time da virada.

domingo, 23 de agosto de 2015

ODE AO VASCO IV

Lá vai, lá vai o Vasco pela rua do Desterro
com o saco cheio de bolas
e cara de enterro.

No momento, quem diria,
tem no Flamengo sua escassa alegria.

E segue o Vasco em lenta agonia
a suportar arrotos 
a fedentina dos charutos
e os ridículos suspensórios
de sua diretoria

nem Jorginho nem Osório
e as trinta contratações
nem um cargueiro do Lloyd
nem o batuta do Freud
arrancam mais o time
do seu irrisório destino.

Houvesse inteligência na Colina
fazia-se a revolução:
dispensa dos ex-jogadores
e seus empresários
com a imediata promoção
dos meninos da base.
E o Brasileiro seria a fase
de preparação da equipe
para as futuras competições.

Mas o que há em São Januário
é estultície e suspeição,
o comando de um espertário
um eterno aleijão.

E segue o Vasco sua sina
pela rua do Desterro,
um triste gigante 
comprimido num anão.

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

ODE AO VASCO III

Prossegue a dança dos técnicos,
enquanto a rede balança.

Que saudade tenho do Vasco um a zero,
até mesmo do Vasco zero a zero.
Do time retrancado,
do atacante solitário
mas atrevido.
Andrada, Fidélis, Miguel, Moisés
e Alfinete..
Alcir e Buglê,
Carvoeiro, Dinamite, Zanata e Gilson Nunes.
Uns e outros se revezando nas botinadas,
e nas defesas e golaços espetaculares.
Marco Antônio, Ramon, Mazzaropi, Valfrido,
qualquer um seguia o ritmo do jogo
duramente disputado.
Que saudade que eu tenho
do time fechado, ranheta,
que a todos irritava,
mas que no final levantava a taça.

E segue o Vasco campeão carioca
também na Copa do Brasil.

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

ODE AO VASCO II


Segue a mesma camisa
com pequenas variações.
Segue a mesma sina
de cair aos tropeções.
Segue a mesma escala
feita pelo presidente
ou por empresários,
os mesmos trapalhões.
Preso a suspensórios,
infelizmente,
o boquirroto prossegue
a desrespeitar a equipe..
Segue o show de horrores
qualquer gramado seja,
nada pode salvar o time
nem mesmo capa da Veja.

domingo, 16 de agosto de 2015

ODE AO VASCO


Segue o Vasco campeão carioca
no campeonato brasileiro.
A nenhum outro time vence,
a não ser os costumeiros.
Perde para os mais fortes,
deixa de vencer os mais fracos,
e, quando parece impossível perder,
derrota-se a si mesmo
fragorosamente.

domingo, 14 de junho de 2015

BRASILEIRÃO 2015 (8)


Atlético PR, Sport e Ponte Preta resistem ao assédio dos grandões. O São Paulo de Osorio chegou ao topo, provisoriamente, ontem. É ver se tem tutano pra ficar.
 
Meu Vasco segue com seu show particular. Fez o segundo gol em sete partidas. Perdeu mais uma em casa. E eu tive o desprazer de entrever o Lá-rico, ele, esparramado em uma poltrona de seu escritório-camarote. Rapaz...
 
Pra mim, o Vasco já está na segunda divisão do ano que vem. Nada de pessimismo, nada de precipitação no julgamento. O time não mostra sequer osso, vê lá tutano pra se sustentar. Agora, por seu lado, Doriva parece feito de aço. Pelo menos, napa tem de sobra.
 
Maikon Leite ressuscita mais uma vez no Sport. Surgiu como estrela de primeira grandeza no Santos, depois virou cadente por aí. Voltou a fazer gols pelo Sport, numa boa hora. Daqui a pouco, não teria mais pernas. E por anda Lenin?  Neílton, saudado como novo Neymar, vi ontem no banco do Cruzeiro, enquanto um certo Alanno, que nunca foi anunciado como novo Duílio, arrasava em campo.

domingo, 7 de junho de 2015

MESSI X PELÉ



O PVC escreveu que seria preciso argumentar muito numa comparação que fizesse de Messi melhor que Pelé. Penso que por mais que se argumente tal ponto não se alcançará jamais. Isso porque não é possível comparar dois jogadores, pessoas distintas, formas diferentes de atuar, de bater na bola, de correr com ela, cabecear, de participar do coletivo do seu time e do seu selecionado.
 
Daí que só é possível comparar carreiras. E a de Messi não está concluída. E mesmo conclusa, o que não está muito distante, comportará mais uma Copa do Mundo, não dá pra Messi superar Pelé.
 
Pelé tanto fez por si mesmo, seus 1.272 gols, quanto fez por seu time, o Santos, títulos estaduais, nacionais e mundiais, e por sua seleção, nesse ponto insuperável, com três títulos mundiais em quatro disputados.
 
Messi tem feito muito por si mesmo e pelo Barça, mas é insuficiente na comparação. Messi jamais chegará aos 1.000 gols, embora seja possível defender que seus gols, pelo grau de dificuldade das competições e adversários, valham por dois dos de Pelé  -  mas aqui sempre ficará uma questão incontornável, a do tempo em que atuaram, das condições de jogo que apontam ser muito mais difícil jogar contra o Botafogo de Ribeirão Preto, nos anos 1960, que contra um Getafe atualmente. E o Barcelona de Messi é uma seleção mundial, não dá para comparar com o grande Santos, que foi vário na Era Pelé, que jogou com Pagão, Coutinho, Almir, Toninho Guerreiro, Cláudio Adão e tantos outros centroavantes.
 
E por sua seleção, Messi nada fez de expressivo em três Copas do Mundo. Pode ser que vença a próxima, mas... aí Inês é morta.
 
Resta, por fim, a magia. Nesse quesito, Messi pode superar, sim, Pelé. Mas por um detalhe tecnológico: assistimos ao vivo cada passe, cada jogada, cada gol de Messi. De Pelé, temos alguns registros em p&b de jogadas e gols. Pelé é história.  Messi está presente em nosso cotidiano de espectador, ainda produz sua magia a cada fim de semana, e é magia das grandes.
 
Ou seja, essa é uma disputa em que ganhamos nós, os que amamos a beleza do futebol.
 

sexta-feira, 5 de junho de 2015

BRASILEIRÃO 2015 (7)

  

Senhoras e senhores, a Série B do Brasileirão 2016 já tem um time escalado: o Vasco da Gama. Incapaz de ir às redes adversárias (tem ido bastante às próprias recolher bolas), invictórico, insuperável em deficiência técnica, o Vasco já ocupa o 18o lugar. E amanhã joga com o líder, Atlético Paranaense, aquele mesmo que o despachou para a Série B em 2014. Pois é, já estamos lá. Quando eu lembro de Eurico Miranda, sinto até um certo prazer. Eurico é o Blatter de amanhã.
 
Técnico de futebol, no Brasil, parece palito de fósforo.
 
Não sei vocês, mas quando ouço e vejo Luxemburgo palrando...
 
Estão menosprezando a Ponte Preta. Tem comentarista elogiando Atlético Paranaense e Sport e tratando a Ponte Preta como time pequeno. Golear o Vasco, realmente, não chega a ser uma demonstração de poderio, mas a Macaca mostra consistência num setor que o Brasil relegou a segundo plano: meio de campo. Segurem a língua aí, companheiros.
 
Vai começar a temporada de vendas. Depois da Copa América, o Brasileirão retornará com novos times, ao que tudo indica.

terça-feira, 2 de junho de 2015

NEYMAR, O DRIBLE E O IMPÉRIO DA MEDIOCRIDADE


Neymar tentou driblar com uma chaleira, ou carretilha, um zagueiro do Atlethic Bilbao. O sujeito lhe deu um trompaço, jogou-lhe ao chão e depois partiu pra cima, secundado por alguns dos seus iguais, para aplicar um corretivo verbal e físico em Neymar. O craque brasileiro, espertamente, ficou no solo até chegar a turma do deixa-disso.
 
A mídia mundial repercutiu o episódio, abrindo espaço para duras críticas ao driblador. E como a final da Champions acontece no próximo sábado, Barça x Juventus, avisos são disparados na direção de Neymar, no sentido de que os zagueiros italianos darão duras respostas a seus dribles desmoralizantes.
 
O drible é fundamento básico do futebol. O drible é meio adequado de superação do adversário no confronto físico direto, quando um tenta impedir o avanço do outro com a bola. O drible, meus amigos, não é fácil de aplicar. O drible é para craques; cabeça de bagre não sabe driblar, dá chutão.
 
Imagino Garrincha jogando em nosso tempo. O que faria o troglodita do Atlethic Bilbao? Talvez não o encontrasse para dar o trompaço; talvez já estivesse levando o segundo drible, talvez destruísse o que restava do joelho do nosso genial craque.
 
Nosso tempo não só se encontra infantilizado socialmente como horizontalmente imbecilizado. Não há espaço para a excepcionalidade, para a genialidade, para a elevação em qualquer nível. Os medíocres são imensa maioria e possuem a força de comando. E como possuem. Olhem em volta. O discurso da mediocridade é igualitário, simplório, aliviante, por isso conquista adeptos às pencas. O craque é solitário como todo artista. Pensa particular, sente especial, age diferente, não é fácil suportar a presença ou companhia de um craque. Disputar algo com ele, então... Então, os medíocres  -  sejam de Bilbao, Madrid, Turim, Argentina, qualquer lugar  -  convocam-se no esforço de reduzir o craque ao tope deles, ou seja, ao raso.
 
Mas há quem, como Neymar, insista no óbvio, como Progba, que disse hoje, a respeito da cobrança que fazem para que ele jogue mais simples, sem firulas ou dribles: - eu jogo futebol.
 
Tão claro que chega a ser luminoso. Mas os medíocres, no gozo do império contemporâneo, são incapazes de perceber o que seja isso, jogar futebol. Daqui torço para ver Neymar fazer um gol na Juventus, dando uma caneta em Chielini.
 
E viva Kaneko! E viva Toninho Guerreiro! 

domingo, 31 de maio de 2015

BRASILEIRÃO 2015 (6)


Costumo dizer que o Vasco deveria ser o segundo time de todo flamenguista. O Vasco tira o Flamengo dos apertos, perdendo partidas, entregando campeonatos, deixando-se furtar em campo e nos tribunais sem muito alarde. E fazendo o que fez esta semana: apiedando-se do Flamengo, na zona do rebaixamento desde a semana passada, a ponto de decidir fazer companhia aos rubro-negros. O Vasco chegou lá antes do tempo: já é o 17o. colocado, logo acima do Flamengo. E eu que já festejava uma possível draga flamenguista, agora tenho que fechar o bico, pois o Vasco está firme em seu desrumo. Isso não é impressionante?
 
Os brilhantes dirigentes insistem em afirmar que o Brasileirão só vai começar, mesmo, depois da Copa América. Bem, os menos brilhantes técnicos, por conhecerem bem os dirigentes, tocaram seus times de forma a fazerem o óbvio: somar o máximo de pontos até lá. E a rodada de hoje, a 4a. terminou com Atlético-PR em primeiro, com 9 pontos, Sport em segundo, Ponte Preta em terceiro e Goiás em quarto, todos com 8 pontos. Repararam nos egressos da série B do ano passado nesse G4 provisório? Pois é, cada qual sabe onde lhe apertam os sapatos. 
 
Os quarentões Zé Roberto e Rogério Ceni brilharam nesta rodada. O que dá a medida próxima do estágio a que chegamos no futebol brasileiro. Jogadores de 23 anos são tratados como iniciantes. Estendem para o futebol o infantilismo social a que nos entregamos há décadas. Pelé, com 23 anos, já era bicampeão mundial de seleções e de clubes e já havia sido entronizado como Rei do Futebol. Uma mixórdia, esse tempo em que vivemos.
 
PS...Foi preciso um país sem grande comprometimento com o futebol e com a Fifa para dar uma sacudida na máfia da bola. Estão tentando uma reação. Nessas horas, boto uma fé imensa em que a cadeia se atulhe desses corruptos boquirrotos e que a imundície aos poucos vá sendo afastada dos gramados. Vamos lá, dra. Lynch, porrada nessa corja!
 

segunda-feira, 25 de maio de 2015

BRASILEIRÃO 2015 (5)



Só rindo. Mas o fato é que me cobraram com muita ênfase que eu registrasse aqui a garfada que o Flamengo levou ontem.
Registro: o Flamengo perdeu ontem para o Avaí, por 2 a 1.
Querem que eu diga que o segundo gol do Avaí foi ilegal, que o Flamengo foi roubado etc.
Ora, parece que a bola havia saído quando o jogador do Avaí a levantou para dentro da área.
Digo parece, pois, pelo ângulo da câmera, não dá para ter certeza.
E depois, usando o argumento de um convidado do Sportv, passaram-se mais de 5 segundos até a bola entrar, tempo suficiente para a zaga do Flamengo afastar a bola. Essas coisas são do jogo, acontecem, são do momento, tudo é muito rápido e não se pode exigir da arbitragem olho de câmera e zoom e slow-motion. Então...
O bandeirinha estava de olho arregalado, ligado no lance e não marcou nada. Então...
De tão legal, o gol foi assinalado na hora pelo árbitro, disso não há dúvida.
Tá lá no placar: mais uma derrota do Flamengo (adoro escrever isso), que agora está na zona de rebaixamento.
De minha parte, lembro: quem com ferro fere, com ferro será ferido: aqui se faz, aqui se paga.
E sigo firme na torcida pela Série B. Para o Flamengo, claro. 

domingo, 24 de maio de 2015

BRASILEIRÃO 2015 (4)


O Vasco segue invicto na competição. E segue invictor também, ou seja, sem vitória alguma. Três empates, um gol marcado, outro sofrido. Quem consegue ter desempenho igual? Ninguém. E a pior de todas as coisas: o chefão, do gabinete/camarote assistindo a partida sozinho, fumando seu charuto, ostentando suspensórios, mergulhado na solidão dos canalhas, como se fosse o que realmente é - um poderoso chefão. Dá uma sensação de náusea insuportável. Dá para entender por que os atacantes perdem gols debaixo da trave.
 
O Sport lidera o campeonato com 7 pontos, por saldo de gols. Mas poderia estar com 9 pontos, se não tivesse sido garfado pela calhordice flamenguista no domingo passado. Lembrei de um lance parecido em um campeonato europeu, alemão se não me falha a memória, em que na saída da bola o time beneficiado deixou que o adversário marcasse um gol sem oferecer resistência. Mas não era Brasil, não era Flamengo, e fim.
 
E o Cruzeiro, que segue bombando na Libertadores, marcou seu primeiro ponto, deixando o último posto. Segue na zona de rebaixamento, junto com o Flamengo. Isso não quer dizer nada para o Cruzeiro, pois é só colocar o time principal em campo que os pontos começam a jorrar. Já para o Flamengo, parece que desta vez vai, com Luxemburgo e tudo mais. Se Deus for Deus, assim será, amém.
 
O Brasileirão 2015 só vai começar, de verdade, depois da Copa América. Quem for mais esperto chegará lá com pontos na sacola. Quem bobear, não vai conseguir se recuperar adiante, isso já foi exaustivamente provado em campeonatos anteriores. Ainda não adquirimos a cultura dos pontos corridos. Brasileiros, deixamos para depois o que deveria ter sido feito antes da competição. Tem time ainda em pré-temporada, pensando contratações, trocando de técnico, procurando patrocinador.
 
E o chefão lá de cima, lembram?, garante que o Vasco será campeão. De quê não se sabe. E não é bom perguntar.
 

segunda-feira, 18 de maio de 2015

BRASILEIRÃO 2015 (3)



E eis que o Vasco segue invicto na competição: dois empates sem gol. Desempenho mais vascaíno que esse é impossível. Interessante foi a desculpa do técnico Argel, do Figueirense: jogador dorme muito tarde, altera o relógio biológico, jogar 11h fica difícil. Sem armador, o Vasco vai supliciar seus torcedores, como sempre faz.
 
Diego Souza foi um dos melhores goleiros da rodada, o que é o futebol. Tiraram na marra a vitória do Sport dentro do Maracanã. Como sempre fazem em favor do Flamengo, história mais antiga não há. Hoje, no Redação Sportv, Rizek teve que engolir os companheiros de bancada afirmarem que a falta de fair-play não foi falta de fair-play. Isso, depois de taxarem de canalhismo a atitude dos jogadores do Boca Juniors ao aplaudirem a torcida. Mas a atitude canalha do time do Flamengo em não devolver a bola, essa é do jogo, do momento, normal, bola que segue. Canalhismo puro.
 
O Flamengo devia, sim, devolver a bola para o Sport. Nenhum argumento a favor do Flamengo tem valor moral. A partir do momento em que o goleiro Diego Souza jogou a bola pra fora, em seu campo de defesa, para o atendimento do companheiro de time no ataque, o Flamengo tinha a obrigação de devolver a bola. Neste e em qualquer outro mundo. Fosse ou não intenção de parar o jogo, a bola estava com o Sport e para o Sport deveria voltar, houvesse decência do outro lado.
 
A mídia flamenguista arrancou da grama e da lama todo tipo de argumento para justificar o fato de que o Flamengo não fez o que deveria ter feito. E por não ter devolvido a bola, o gol de empate saiu. Isso é definitivo e não tem porém. Tivesse devolvido a bola, o Flamengo poderia até vir a fazer dois gols em 30 segundos, mas aquele que fez não faria de jeito nenhum, seria impossível. Portanto, mais uma vez, o Flamengo é carregado nas costas da arbitragem e da imprensa. Pois time mesmo, não tem.
 
E as equipes reservas continuam em campo. O Atlético MG, eliminado da Libertadores, botou o time principal e goleou o Fluminense. Sei não, mas tem cheiro de Segundona para mais carioca, a verificar adiante.